De Noiva pra Noiva: a saga de 3 meses até o altar!

Foto: Layla Eloá

Temos uma super novidade no De Noiva pra Noiva! Grudamos no pé de uma noiva carioca há três meses do seu casamento e vamos acompanhar todas suas aventuras até subir no altar…. toda semana um capítulo novo dessa história… com vocês, Helena!

Sou Helena Magalhães e me caso em janeiro de 2012. Falta pouquíssimo tempo! São menos de 3 meses e meio e precisamente 12 semanas até o grande dia! Fui pedida em casamento em dezembro de 2010 e meus preparativos começaram em maio de 2011. Tem 5 meses que mergulhei de cabeça no mundo do casamento e até criei um blog para trocar informações, o Marryhood. Amo pesquisar, sou do tipo que busca sempre ter certeza que está fazendo as melhores escolhas. Vou escrever aqui no Zankyou todas as semanas até meu casamento e tentarei montar um passo-a-passo do caminho de uma noiva no Rio de Janeiro até o altar.

Como uma breve introdução, vou contar para vocês um pouquinho da minha história de amor!

Conheci o Guto no dia 5 de maio de 2010 em um daqueles dias que você está tão cansada que pagaria o preço que pudesse para ter a oportunidade de dormir. Era o lançamento do livro do fundador da minha empresa , por isso não podia faltar, seria basicamente um coquetel e depois teria um jantar. Isso em plena quarta-feira! Coincidentemente o nome do livro que estava sendo lançado chamava-se “Felicidade”.

O Guto era o homem lindo de olhos verdes que não parava de olhar para a rodinha que eu estava. Ele diz que eu dei mole para ele, eu afirmo que ele não tirava os olhos de mim. Verdade, pode parecer convencida, mas mulher sabe dessas coisas! Ele tinha acabado de voltar de Londres e foi ao coquetel para encontrar um dos maiores amigos que não via desde a viagem e que, coincidentemente, trabalhava comigo. O evento foi interessante, as meninas da empresa estavam em um papo animado e foi uma boa social.  Durante o coquetel, eu e o Guto trocamos alguns olhares e ao final nos cumprimentamos.

No dia seguinte, recebi um e-mail do tal amigo perguntando se poderia passar meu contato para o Guto. Fiz algumas perguntas, mas acabei autorizando.

Em nosso primeiro encontro, que aconteceu em 14 de maio, descobrimos que teríamos um casamento em comum em 12 de junho, descobrimos também que tínhamos muitas coisas em comum, além de várias coincidências. Resumindo, desde esse nosso primeiro encontro não nos separamos mais.  O assunto noivado começou a surgir poucos meses depois e o pedido… bem, o pedido foi um processo!

E o pedido, foi um processo. Foto: Layla Eloá

Meu pedido de noivado não foi exatamente uma surpresa. Foi até surpresa o momento e a maneira, mas eu sabia que seria pedida. E não era só por intuição! Meu noivo é Engenheiro e, por mais lindo e fofo que o Guto seja, engenheiros não costumam ser exemplos de criatividade! Minha aliança foi comprada em outubro. E claro, eu descobri no dia! Foi em uma semana que eu estava saindo muito tarde do trabalho e o Guto estava indo me buscar todos os dias. Lembro que no dia anterior eu tinha saído tarde por causa de um relatório. Era uma quarta-feira e eu tinha um novo relatório para entregar, por isso meu amor resolveu aproveitar para comprar nossas alianças. Como eu trabalho no centro empresarial de um shoppping, essa parecia ser uma ótima oportunidade!

Há cerca de 1 mês, tínhamos casualmente experimentado alianças por diversão (essa é uma boa dica!). Então ele já sabia qual aliança compraria, mas como a sorte não estava muito do seu lado nesse dia, eu acabei o relatório super rápido. Tudo bem que ele não anda muito no shopping, mas as desculpas que ele inventou para não encontrá-lo foram demais e, por isso, fiquei desconfiada. Mas fiquei na minha, afinal não queria estragar a surpresa. Depois de muito me enrolar, nos encontramos e jantamos no shopping, sem tocarmos no assunto! Mas como, aquele dia, a sorte não estava com ele e a única folha de cheque que tinha errou na hora de preencher. Sua única opção foi pedir uma folha de cheque dele que estava guardada comigo. Assim, não só soube das alianças como fiquei na porta da loja esperando ele pagar.

O Guto poderia ter me dado as alianças na hora, mas queria esperar um momento especial e, honestamente, eu também. Então a cada data importante esperei o pedido. Passou o aniversário dele, o aniversário da mãe dele, Natal e nada! Minhas últimas fichas estavam no Reveillon que passaríamos em NY. Mas nisso ele conseguiu me surpreender, porque  o pedido veio no avião durante a viagem de ida. Ele não se ajoelhou como tínhamos combinado (ok ok, isso é brega, mas quem nunca gostou de uma coisa brega!), mas falou coisas lindas. E assim, chegamos a NY noivos e felizes!

Helena e Guto. Foto: arquivo pessoal da noiva

Na próxima semana, irei contar um pouco sobre o que buscamos para o nosso casamento e sobre as casas de festas que visitamos! Me acompanhe nessa aventura!